11/07/2024 às 11:01

O Poder da Inteligência Emocional.

6
2min de leitura

Nunca gostei de brigas acaloradas ou de discussões que deixassem cicatrizes. Aquelas discussões de arrancar cabelos, gritar para os vizinhos ouvirem e, chamar nomes feios, depreciativos, Sinceramente não me lembro de uma única vez que tenha chamado alguém de forma ofensiva numa discussão, especialmente alguém de quem gostei. Não vejo qualquer necessidade de ofender alguém para validar a minha verdade ou a minha indignação, até porque gritar demonstra pouca inteligência emocional, e sei que primo por ela... Já fui tão ofendida e nunca revidei com ofensas, talvez prefira a ironia.

Acredito que existe uma forma mais respeitosa e eficaz de resolver os desentendimentos, uma maneira de comunicar que deixe bem claro que estou furiosa, e indignada, mas de um jeito que não fere, não causa estragos não deixa fissuras. É verdade que gosto de ganhar uma discussão, sim, adoro e geralmente ganho, mas são aquelas discussões em que o objetivo não é destruir o outro, mas sim encontrar uma verdade comum, um entendimento mútuo sobre algum assunto em discussão.

Confesso que eu sou um pouco irritante para quem quer discussão porque quando estou furiosa a minha garganta fecha-se e nenhum som consegue sair da minha boca. Silencio o que me vai por dentro, choro, penso na situação, durmo e acalmo..... Depois o assunto vem á baila e falo dele já com toda a serenidade sem ofensas nem palavras que possam destruir o outro lado, porque se existe coisa que eu sei fazer é usar as palavras mas sabendo o poder que elas tem e sabendo também que facilmente eu consigo destruir usando-as, prefiro calar, pensar e so depois falar.

Sempre fui muito mais a favor do frente a frente num diálogo sincero, onde as palavras são escolhidas com cuidado, onde há espaço para ouvir e ser ouvido. Isso, para mim, é a verdadeira vitória: quando ambos os lados saem mais compreendidos e respeitados de uma briga e até mais unidos.

Posso dizer que a minha ultima relação durou 15 anos e não me lembro de uma única vez que tenhamos sido desrespeitosos um com o outro, sempre primámos pela conversa educada mesmo que algumas vezes tivéssemos de elevar um ou dois degraus a voz ou bater mais iradamente com uma porta.

Não sou dada a explosões de raiva porque conheço-me e sei que seria algo muito feio de ver, por isso prefiro a tranquilidade, o entendimento, evitando a toxicidade dos conflitos desnecessários e a gastura de energia. Mas quando alguém me faz enfurecer, podem implorar, pedir de joelhos que quando eu meto um X em cima da pessoa literalmente faço-lhe o funeral e retiro-a da minha memoria.

Ana Luar Vaz*

11 Jul 2024

O Poder da Inteligência Emocional.

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL
Logo do Whatsapp